terça-feira, 15 de março de 2016

Ferrolho.

©Gianni Berengo Gardin

Não consegue amar as mulheres. Consegue seduzi-las, assediá-las, apertar-se contra elas, acariciá-las, oferecer-lhes o mais profundo do seu corpo, mas não as ama. Nunca lhes permite o acesso a um grama da sua intimidade. Por intimidade, entende tudo aquilo que é em si secreto, aferrolhado, interdito. Não compreende o seu corpo. É bastante generoso com ele. Oferece-o facilmente.
As mulheres, acolhe-as quando o desejo de se fundir noutro corpo, noutras palavras, noutros projectos, é excessivamente forte. Quando a necessidade de dois braços à sua volta se torna imperiosa, lança-se a elas, promete-lhes mil alegrias, mil felicidades... para se afastar sem olhar para trás depois de saciado.

20 comentários:

  1. Respostas
    1. E se a promessa nunca supera a atitude, Imprópriaparaconsumo? :)

      Eliminar
  2. Não se costuma dizer que não se consegue amar duas pessoas ao mesmo tempo? então, ele ama-se mais a si de que a qualquer mulher que venha a ter.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O amor próprio é o romance da vida de qualquer pessoa. :)

      Boa tarde, Carla.

      Eliminar
  3. Talvez não saiba amar porque nunca se amou.

    Boa tarde, Impontual :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Amar não é saber, Maria.

      Boa noite. :)

      Eliminar
    2. Também se aprende a amar. Por isso, amar também é saber. :)

      Boa noite, Impontual :)

      Eliminar
  4. Não vejo que seja importante o "amar" e o dar-se por "inteiro" com a tal "intimidade" que falas. Não somos todos iguais e não precisamos todos do mesmo. Agora importante é a verdade, sem as falsas promessas pois ninguém precisa delas :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Mais vale uma atitude fantasiosa, é isso? :)

      Eliminar
  5. A mim parece-me que ultrapassada a linha da repetição será importante dar-se, pelo menos um pouco... :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Dar-receber, receber-dar. Débito-crédito, crédito-débito. Eis a eterna contabilidade da vida. :)

      Eliminar
  6. Tem o amor trancado a sete chaves e o problema é, talvez, ter perdido uma delas.
    :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Luísa, acredito que a chave é uma só e está na fechadura, do cadeado. :)

      Eliminar
  7. Um egoísta pontual. :)

    Boa noite ou bom dia?
    (O blogue é lindo)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pontualmente egoísta.
      "Há em tudo que fazemos.
      Uma razão(?) singular:
      É que não é o que queremos.
      Faz-se porque nós vivemos,
      E viver é não pensar"

      Boa noite , Teresa. :)

      Eliminar
  8. Há pessoas que não são capazes de amar. Existe mesmo uma patologia associada a essa "insensibilidade afectiva e emocional".
    Pulsão é uma coisa, envolvimento emocional é outra bem diferente. E nem sempre não se dá porque não se quer. Também acontece não se poder, havendo impossibilidades de vária ordem.

    Um beijo, Impontual.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. "Patologias" sem tratamento. :)

      Beijo, Isabel Pires

      Eliminar
  9. O amor encerra dentro de sí muitas formas. É um afecto que não se explica, simplesmente se sente dentro da gente e não tem prazo de validade. O amor não cobra, não promete, não julga. O amor reside dentro de nós, se estivermos disponíveis para o dar e para o receber tanto melhor.
    Desviei-me do assunto, eu sei. Mas este jogo de sedução só o joga quem quer. O medo é que devia ser impedido de participar, esse senhor é sempre o grande vencedor.
    Então bom dia hoje, Impontual.
    Hoje está de sol, mas está frio:)
    Por este andar a primavera adivinha-se tardia.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O amor não se explica. Ponto.
      A primavera, ninguém pode impedi-la de aparecer. :)

      Eliminar
  10. Não consegue amar as mulheres? Como pode ele saber isso? Amar é como a sopa de favas em que só se pode dizer que não se consegue comê-la depois de ser provada.
    :)

    ResponderEliminar