quarta-feira, 9 de março de 2016

Ó lúbrico.

©Mário Testino

Ao contrário do resto da criação, tu és um ser falante. Portanto, falas. E falas para dizer o quê? O teu desejo. E o desejo só existe porque pode ser dito. Mesmo que por vezes te seja impossível dizê-lo. Mas aí a culpa já não é só tua, ó lúbrico.

6 comentários:

  1. Determinados desejos devem ser absolutamente verbalizados, é um modo de esvaziar o que nos vai na alma :)

    ResponderEliminar
  2. Não é impossível dizer o desejo. Inconveniente, talvez.
    :)

    ResponderEliminar
  3. E quando não se pode ou consegue falar o desejo, canta-se :)))
    Boa noite :)))

    ResponderEliminar