quinta-feira, 28 de abril de 2016

Breve ensaio sobre o sorriso.

De cada vez que ela sorri, o universo paralisa. Durante esse breve instante, que me parece infinito, toda a paisagem circundante fica imóvel e silenciosa. Os pássaros ficam a flutuar estáticos no ar, a chuva detém-se imprevisivelmente e os ponteiros dos relógios suspendem o seu andar cansado. Apenas uns latidos atrevidos, saídos do meu interior, combatem a quietude com os seus golpes em sinal de alegria. Como se fosse capaz de os escutar, ela retribui com um olhar que me diz: “estou aqui”. E então o mundo, que quiçá nunca esteve em suspenso, parece retomar o seu curso normal.

4 comentários:

  1. No instante da paralisação, movem-se apenas as borboletas que, antes quietas, habitam a barriga. São as mesmas que compõem a Teoria do Caos. E a sinfonia perfeita, também.

    Beijos, Impontual.

    ResponderEliminar
  2. Nada consegue deter as areias da ampulheta do tempo de cair ... só mesmo no sonho ou na nossa imaginação!

    Beijos com sorrisos
    (^^)

    ResponderEliminar
  3. Que ensaio tão bonito :)
    Depois de o apreciar, atrevo-me a juntar-lhe este sorriso bonito https://www.youtube.com/watch?v=O040xuq2FR0

    ResponderEliminar