quinta-feira, 9 de junho de 2016

Três minutos e trinta.

Palavras, apenas palavras, nenhuma força de predestinação na combinação de umas com as outras. A língua com as feridas da língua, a língua inválida, a alienada e a insone. A catarse aristotélica. Simulação, dissimulação, fingimento. A teatralidade, o jogo retardado da imitação e do renascimento, a máscara e o mascarado. De repente tudo falso, tudo falsificado.

2 comentários:

  1. 3 minutos e trinta: Uma eternidade, um flash, um suplicio, o céu, a paz.
    As palavras: Tantas vezes melhor fora estar calado
    A Língua: Ah, essa não, preciso dela para comer com alguma dignidade :)

    Bom dia Sô (Im)pontual

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. noname, faço minhas as suas palavras: "tantas vezes melhor fora estar calado". E quieto, já digo eu.

      Boa tarde, agora.

      Eliminar