sexta-feira, 16 de setembro de 2016

Por outro lado...

Não há nada mais mortífero do que a esperança, esse símbolo inequívoco de que já se perdeu tudo, aquela agonia alargada.

6 comentários:

  1. Quando já se perdeu tudo, o que seria de nós sem esperança??

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Temos um estádio (ou estado) de agonia alargada.

      Eliminar
  2. "A «Esperança» é a coisa com penas -
    Que se empoleira na alma -
    E canta melodia sem palavras -
    E nunca - nunca pára -

    E mesmo em Vendaval - doce - é ouvida -
    E a tempestade seria mais cruel -
    Para abater essa pequena Ave
    Que a tantos aqueceu -

    Ouvi-a pela terra mais gelada -
    No mais estranho Mar -
    Mas nunca, em Extremidade, me pediu
    A Mim - uma migalha."

    Emily Dickinson
    Relógio D'Água/Trad. Ana Luísa Amaral

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Emily Dickinson é poeta do pranto da alma e da solitude.

      Eliminar
  3. Sou mulher de muita esperança!

    Boa noite, Impontual :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Isso é muito bom quando não se depende disso. :)

      Bom dia, Maria.

      Eliminar