quarta-feira, 12 de outubro de 2016

O Homem que contempla

©Chiahru Shiota

Vejo que as tempestades vêm aí
pelas árvores que, à medida que os dias se tomam mornos,
batem nas minhas janelas assustadas
e ouço as distâncias dizerem coisas...

__R.M. Rilke, "O Livro das Imagens"

12 comentários:

  1. Também já as pressinto, na manga que desdobra e se abraça ao punho.


    Bom dia /Im)pontual, que bela nota

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Bom dia, noname.
      Eu, por mim, dispensava o reconforto da roupa quente. Faz-me comichão nos primeiros tempos. :)

      Eliminar
    2. Já a mim, incomoda o tempo todo. Falta muito para o Verão? :)

      Eliminar
  2. ... sim, as distâncias dizem muito. Coisas boas, também.

    E gostei deste teu post.
    Bom dia, Impontual

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Bom dia,Isabel.
      E as distâncias medem-se a partir do lado de dentro ou pelo lado de fora?

      Eliminar
    2. Pelo lado de dentro... São estas que verdadeiramente contam.

      Eliminar
  3. Ouvir a chuva a bater na janela é quase reconfortante ─ uma melodia intemporal.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É isso ou «trepar o céu de um olhar/somente para vestir-se de luz»

      Eliminar
    2. Olha, olha... o meu versinho aqui. Até me sinto lisonjeada. :))

      Deixo um beijo no teu coração, I. :)

      Eliminar
  4. era mesmo isto que hoje eu precisava ler :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Então, ana? Pelo vento ou pelo que dirão as distâncias? :)

      Eliminar