quinta-feira, 27 de outubro de 2016

Preâmbulo

Quando uns lábios, uma boca, por instantes enlouquecidos, encontram no alto de uns seios aquela cálida temperatura e a doce recepção da carne abundante de sabor e aroma bem definidos e, inquietos, deslizam ultrapassando a superfície levemente abobadada do ventre sem ali descansar, caindo entre as coxas redondas, descobrindo num instante vertiginoso o suave declive em que o sexo encrespado e oculto se avoluma palpitante, transformando-se num órgão vital, é porque não havia nada para dizer.

8 comentários:

  1. Dei comigo a sorrir depois de ler o teu texto, I. Os corpos também falam. :)

    Deixo-te um beijo. :)

    ResponderEliminar
  2. 'isso' parece-me a festa da carne... :)

    ResponderEliminar
  3. Inpontual, anda tão cheio de sensualidade(s) - Conte lá o que se passa, de uma vez homem.

    Continuação de boas viagens :=)

    ResponderEliminar
  4. Que preâmbulo delicioso :)
    Ao que parece a indiferença esfumou-se ;), o que é excelente :)
    Continuação de boa semana.

    ResponderEliminar
  5. Bom... muito bom.

    E de facto nada há a dizer :)

    ResponderEliminar
  6. Bom... muito bom.

    E de facto nada há a dizer :)

    ResponderEliminar
  7. Aqui há gato;)
    Boa sorte para esse amor!

    ResponderEliminar
  8. Esse silêncio tem as palavras todas dentro...

    Boa noite, Impontual :)

    ResponderEliminar