sexta-feira, 25 de novembro de 2016

Dia internacional pela eliminação dos pichas moles.

Parecia que tudo tinha desabado de repente. Não passara nem sequer um minuto que ele lhe batia e gritava violentamente e agora estava ali, teso e vazio, sobre o chão da sala. De pé, imóvel, encostada ao aro da porta abraçava a almofada e esperava que alguém aparecesse e rompesse aquele silêncio horrível. Quando chegaram todos e tentaram reanima-lo, deu um passo atrás em direcção ao corredor, apertou a velha almofada contra a sua cara, limpou a única lágrima que derramara e disse em voz baixa: "eu nunca te gritei, incompetente".

[É preciso dizer basta]

13 comentários:

  1. É preciso e urgente!

    Beijos, Impontual

    ResponderEliminar
  2. Há coisas que me causam alguma urticária... sou esquisita, bem sei, bem mo repetem... mas não percebo esta coisa da violência contra as mulheres... contra as mulheres? só há um dia da violência contra as mulheres?? porquê? não deveria ser contra a violência, ponto final? contra a violência doméstica? que não, nem sempre é contra as mulheres, às vezes é contra meninos, outra contra meninas, outras contra avôs ou avós, acho a violência principalmente debaixo do tecto que nos deveria proteger uma coisa abominável, nojenta, em que todos nos devemos insurgir... mas sem distinção de género, idade, orientação sexual ou outra... simplesmente porque a violência é errada, e ainda mais incompreensível vinda de quem nos devia proteger e amar. Mas também a há contra homens, eu aqui na empresa por exemplo tenho um homem que apanha da companheira e tem uma vergonha de morte disso (mais do que se calhar aquela que assola as mulheres na mesma situação), assim como não há só violência física, e, nessa não física, o numero de casos entre violência sobre mulheres ou homens já não deve ser tão díspar... podem ser menos casos, mas tudo está errado e não concordo com a discriminação, o horror não pode ter sexo. Desculpem-me o desabafo, mas dá-me urticária, como o dia da mulher, outro que não entendo, entendo direitos humanos, isso sim... ou quando vejo entrevistas com as "empresárias" da zona como se fosse uma segunda liga do campeonato e isso me ofende... enfim sou esquisita, é o que é... Pronto, perdoem-me, eu sou só pela eliminação da violência, ponto.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olvido,
      São cerca de 400 mulheres mortas às vis mãos dos seus "companheiros" em menos de 10 anos. São números frios e que não se podem de forma alguma escamotear. É imperioso dizer basta e colocar fim a um flagelo desta natureza. Não há qualquer tipo de discriminação na analise crua destes números. São 400 mulheres mortas. Este ano já vai em 36.
      Claro que a violência alastra a outros quadrantes. É igualmente reprovável e aflitiva. Não há números, mas serão certamente menos alarmantes dos que se conhecem sobre a violência sobre as mulheres.
      Também não gosto de efemérides, mas não se pode calar esta situação e uma das formas de a não calar pode até ser a própria efeméride.

      É preciso dizer basta à violência, seja ela contra quem for e da forma que for infligida.

      Eliminar
    2. Ninguém falou em calar qualquer tipo de situação de violência, aliás, de facto, o que acontece é que dando apenas atenção aquele que é dirigido às mulheres dentro de casa estamos a calar as restantes, e não vejo o porquê, ou sequer alguma vantagem nisso. Não discuto os números até porque me parece que relativamente às restantes situações de violência dentro da família portas adentro, não as há ou não são lançadas para a arena da opinião pública, mas as restantes vítimas não valem menos nem sofrerão menos, porquê ficarem de fora desta consciencialização? Não entendo e não concordo. Daí dizer não à violência, ponto. Acrescentar é subtrair.

      Eliminar
    3. "25 de Novembro dia internacional pela eliminação da violência contra as mulheres"
      A efeméride não se refere à violência por local do crime, por tipo ou género de agressão, mas objectivamente à violência em geral.
      Acrescentar não é de todo subtrair.
      Claro que o que importa é dizer não à violência.

      Eliminar
    4. Olvido, como é evidente há violência para todos os gostos e géneros. Este dia pretende consciencializar as pessoas para um tipo de violência em especial, que é a violência contra as mulheres. Considerando que ainda são as principais vítimas de violência, parece-me que não é despropositado.

      Eliminar
  3. Também sou pela eliminação da violência PONTO

    ResponderEliminar
  4. É preciso dizer basta... e aplicar penas exemplares... para que não se desvalorizem comportamentos assim... onde todos temos a tendência de pensar... que não devemos meter a colher... e deixar acontecer...
    Bjs
    Ana

    ResponderEliminar