terça-feira, 13 de dezembro de 2016

Vermelhão

Há dias que nunca mais acabam. Vêm marcados a vermelho-vivo, talvez para que não esqueçamos que a arbitrariedade é parte medular da vida, sejam ou não merecidas as suas irracionais derivações. Dias fodidos, essa pedra basilar da nossa minha existência, ainda é o que nos vai fazendo homens. Vou nadar alarvemente.

Quem diz homens, diz mulheres.

10 comentários:

  1. Vou puxar a corda das horas para que o dia acabe assim num instantinho, sim? Só para o amanhã chegar mais rápido. :)

    Deixo-te um abraço, I. :)

    ResponderEliminar
  2. Isso era só falta de um haiku. Agora tudo ficará composto.

    ResponderEliminar
  3. Respostas
    1. há dias que têm espuma que nunca mais tem fim.

      Eliminar
  4. Dear Man With a Chair,
    faz tudo parte do mesmo conjunto, e parece-me tão correcta essa decisão de nadar alarvemente como, vejamos, de auscultar nevoeiros, comer dióspiros, beber um copo com calmas mil :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Querida Alexandra,
      Sim, o palco dos dias é o mesmo para toda a gente. Depois, cada um derrete as suas "gorduras" como melhor lhe aprouver. Auscultar nevoeiros parece-me bem.

      Abraço

      Eliminar
  5. Nem o creme livra as peles caucasianas das mais profundas queimaduras...

    ResponderEliminar