segunda-feira, 16 de janeiro de 2017

Trilho

 
Gianni Berengo Gardin

Há coisas de que é preciso dizer enquanto se caminha. Sem fixar o olhar em lugar algum e pisando duro como se se quisesse esmagar o entorpecimento. E não em frente a um jarro de sangria a olhar nos olhos um do outro. Depois, está bem, assim que a noite cair será bom obedecer-lhe.

13 comentários:

  1. Respostas
    1. Sim. A minha favorita de Gianni Berengo Gardin é "Il bacio di Venezia".

      http://3.bp.blogspot.com/-LR6iH5w64xs/U95kcYxWq6I/AAAAAAAApz0/P2ZeJ7VU8Y0/s1600/bacio.png

      Eliminar
  2. Um olhar perdido também faz falta.
    Bom dia, Impontual!

    ResponderEliminar
  3. Respostas
    1. Luisa, em última análise, à voz da noite.

      Eliminar
  4. Sem se fixar o olhar em lugar nenhum também se pode estar a olhar os olhos do outro... já para esmagar o entorpecimento, e não apenas entorpecê-lo, são precisas palavras que façam entender o caminho, nem sempre precisam de ser duras, de intenção ou aparência. Bom dia Impontual :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olvido, sem fixar os olhos em lugar nenhum é, por ventura, a mais preciosa das forma de olhar.

      Boa tarde, agora.

      Eliminar
  5. É a primeira coisa que faço quando abro os olhos: falar sozinha.
    e faço-o depois ao longo do dia...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É absolutamente gratificante, Laura.
      Especialmente porque se não afoga em palavras que não se disseram...

      Eliminar