quarta-feira, 14 de fevereiro de 2018

Quarta-feira de cinzas

É provável que todos venhamos a odiar aquilo em que nos transformamos. Ninguém é o único. Já vimos mulheres olharem para si mesmas em espelhos de restaurantes, quando os seus consortes não estavam presentes, mulheres sob o seus próprios feitiços, enquanto observavam alguém que não reconheciam. Já vimos homens retornados de outras vidas olharem furtivamente para si próprios em vitrinas de lojas, enquanto tacteavam o crânio sob a pele. Uns e outros pensaram que se livrariam do pior da juventude e que conquistariam o melhor da idade, mas o tempo acumulou-se neles, enterrando as suas esperanças antigas sob a areia. A vida relembrada na medula e não na mente. A tua e a minha história podem até ser muito diferentes, mas acabam por ir dar ao mesmo. 

26 comentários:

  1. Aproveitei e tirei as cinzas todas da lareira.
    Bom dia Impontual :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Perfeito, JI.
      Quem espalha brasas também espalha cinzas.

      Eliminar
  2. Já estou como "o outro": A juventude é uma coisa maravilhosa. Que pena desperdiçá-la em jovens.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Certo. Mas, amadurecer também não é só morrer.

      Eliminar
  3. Hummm Gostei:))

    Hoje:- Pétalas em paixão silenciosa.
    .
    Bjos
    "Feliz dia dos namorados"
    Votos de uma boa Quarta-Feira.

    ResponderEliminar
  4. "A tua e a minha história podem até ser muito diferentes, mas acabam por ir dar ao mesmo."

    Uma frase que encerra nela, todo o drama emocional da Humanidade. Grande e triste verdade, Impontual.

    Fique bem.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigado, Janita. Um bom dia para si também.

      Mas... longe de mim traçar paradigmas emocionais da humanidade. Longe de mim.

      Eliminar
  5. Tão verdadeira a tua última frase como os cursos dos rios irem desaguar ao mar. No fim todos sem excecção seremos "cinza".
    Agora do nascer ao morrer há quem deixe a vida passar dentro, e há quem deixe a vida passar ao lado.
    Votos de um bom dia, sem cinzas de preferência :)
    Abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É verdadeiramente insuficiente viver apenas dentro de duas estações.

      Eliminar
  6. "mas acabam por ir dar ao mesmo", isso quer dizer que não acredita no inferno e tão pouco no céu? Ou o purgatório é o único tapete de cinzas que nos é oferecido quando não há mais história para contar? Ou a histórias de vida são tão diferentes umas das outras que, no fim, não há purificação alguma que salve almas? Ou é muito provável que alguns venham a odiar aquilo em que se transformaram por força de nunca se olharem ao espelho na altura em que as transformações se davam?

    (sou uma mente perturbada, e entupida de interrogações, bem sei :))

    Bom dia disso mesmo, senhor Impontual, de cinzas antes de serem cinzas.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. MM, muito me espanta que não tenha questionado sobre a reforma interior, sobre a capacidade de adaptação, sobre a escravidão da identidade, sobre a maquilhagem social que esconde as equimoses das almas (do purgatório). Muito me espanta. :)

      Eliminar
    2. Grande resposta, grande resposta, é o que me apraz escrever :)

      Eliminar
  7. O tempo até pode enterrar esperanças na areia, mas muscula e relativiza, o que, a mim, parece uma grande vantagem.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Rainha Caliope, é disso que somos justamente culpados: permitirmo-nos acreditar na esperança e que o incumprimento da mesma nos tenha tornado coriáceos.

      Eliminar
  8. Mas não é preciso sentir culpa. Não assim de forma abstracta. (Tenho a culpa em muito má conta). Por outro lado, o híbrido recém-formulado de "coriáceo esperançoso" acabou de cair nas minhas graças. A esperança é sempre um sopro de vida, desde que usada com moderação!

    ResponderEliminar
  9. A questão está no tempo, muito ou pouco, não interessa, e no que fazemos dele...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. No tempo e na intensidade com que o gastamos, ou que ele( o tempo) nos gastará.

      Eliminar
  10. Nunca o caminho percorrido é o mais acertado logo que reavemos a nossa capacidade de autocrítica e nos imaginamos pelo outro que não percorremos. O percurso que não fizemos é sempre melhor, e o melhor que teríamos feito. ;)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Às vezes fico incrédulo ao ouvir gente dizer que se pudesse voltar atrás faria tudo exactamente na mesma. :)

      Eliminar
  11. O destino comum. É o que temos de mais certo!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pessoalmente acho que o resto é que faz toda a diferença.

      Eliminar