segunda-feira, 5 de março de 2018

A hora mais negra

O mundo sofre de graves perturbações: chovem bombas na Síria - uma imagem altamente desconcertante, Trump, Putin, Kim Jong, ameaçam o mundo todos os dias, a Venezuela está um inferno, o Brasil chapinha na lama da corrupção, a Alemanha está numa encruzilhada politica, Berlusconi pode voltar na Itália. Os movimentos de alerta resumem-se a tirar camisolas, deixando o empowerment das mulheres em muito maus lençóis. O globo entretém-se em festas alegres e jazz.
Que outra civilização além da nossa sentiu tanto prazer em destruir-se, em fazer sofrer os corpos, em conspurcar as almas, em esfolar as peles?

21 comentários:

  1. Bom dia, Impontual
    Não sei se é prazer ou uma característica da nossa civilização. Antes o nosso lado mais negro que ressurge em ciclos sistemáticos. Somos luz e sombra, um não existe sem o outro. A dimensão da destruição, desta vez, é o que ainda está por determinar. Mas desejo-lhe uma vitória de muito pouca duração .

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Anouk, boa tarde.
      É imperioso cortar uns frames a este filme.

      Eliminar
  2. Sinto-me tão insignificante, inútil, impotente perante isto.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Percebo, Téstiq. Uma repulsa, como se isto não fosse coisa nossa.

      Eliminar
    2. É, é uma coisa nossa mas somos demasiado pequenos para a conseguir resolver.

      Eliminar
  3. Se Ele existir, seremos os únicos animais que Ele deve estar arrependido de ter inventado. Ou talvez não. Afinal O pai D'Ele mandou o filho morrer por nós e ficou sentado a ver. Isto diz a história que o homem escreveu e muda sempre que lhe dá jeito.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Metermos a divindade nisto é um ficcionismo absolutamente ilusório. Penso eu.

      Eliminar
  4. Nem é bom pensar nisso, mas pensando bem, é uma tristeza!!

    Beijo e uma excelente semana.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pensando bem, teremos consciência de tudo e controlo sobre nada.

      Boa semana, Cidália.

      Eliminar
  5. acho que nenhum, Impontual.
    não há nenhum povo mau e ao mesmo tempo bom.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O mundo, por ventura, não se divide em padecentes e tiranos, mas... os ventos são aliados de quem?

      Eliminar
  6. Os Romanos!

    E depois o Império caiu...

    Abraço :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O mal é que adoramos as mitologias do quotidiano, as que nos induzem a idolatrar as estrelas cadentes...

      Outro abraço.

      Eliminar
    2. Pois é...

      ...esquecemo-nos que as cadentes nem estrelas são e, muitas vezes, não passam de lixo a queimar...
      ...mas captam a atenção e desviam-nos das verdadeiras estrelas...

      :)

      Eliminar
  7. Talvez o título apropriado fosse o século mais negro. Ou séculos. Quem sabe. Eu quero acreditar que há esperança para a humanidade. Que ainda haverá um futuro. Eu quero... Mas custa tanto acreditar em algo que não se vê...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Neste cenário, uma hora é um século. Ou mais.

      Eliminar
  8. O mundo sempre sofreu de grandes pertubações e vai continuar a sofrer: Hitler, Napoleão, Átila, Ayatollah, Idi Amin Dada... Podíamos encher páginas cheias de horas negras
    Bom dia Impontual

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Certo. Continuemos então a entreter-nos com a conspurcação das almas.
      Bom dia, JI.

      Eliminar
    2. Certo. Se foi essa a sua interpretação.

      Eliminar
  9. Como um murro no estômago...

    Beijinhos, Impontual :)

    ResponderEliminar