terça-feira, 20 de março de 2018

Ostras

- Meu amor - murmurou o amante, desapertando-lhe lentamente várias filas de botões.
Ela não se voltou para receber os beijos dele, mas estremeceu com a sensação na sua pele. Raramente havia estado despida, mas agora estava a ser descascada como uma ostra rara e retorcia-se como se o fosse.

13 comentários:

  1. ... Enquanto o planorbídeo lhe ia cantando a canção do bandido.

    Boa noite Sô Impontual

    ResponderEliminar
  2. Que horror!
    Ainda se fossem várias filas de pérolas.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ostra que não foi ferida não produz pérolas. É isso, Teresa?

      Eliminar
    2. É isso mesmo, Impontual. Pérolas são botões de sofrimento.

      Eliminar
  3. "estava a ser descascada como uma ostra rara", ó ó caro senhor Impontual, isto era para ser poético? Se era acho que não foi, foi mais dado ao cómico :))))))

    ResponderEliminar
  4. Muito uma ostra tem de sofrer para criar dentro de si uma pérola preciosa...não havia a mulher de se retorcer!

    Passe bem a noite, Impontual.

    ResponderEliminar
  5. Se calhar a mulher retorcia-se por sentir algo duro como uma ... pérola.
    .
    * Poema em letras virgens e palavras nunca Escritas. *
    .
    Deixando um abraço

    ResponderEliminar