quinta-feira, 5 de abril de 2018

Sabeis de onde venho?

Tenho a sensação de estar esvaziado, esgotado, roubado. Como se voltasse de uma outra dimensão, de um lugar desconhecido do mundo. Uma espécie de viagem para fora do contingente, para o exterior da terra. Como quem vive uma odisseia. Nunca senti tão intensamente esse sentimento de estranheza. Ter saído da vida comum, não para me admirar de tudo, mas para me deixar embrenhar cheio de reticências e dúvidas. E escrevo isto por saber que, seja qual for o juízo que se possa fazer, ele não surtirá qualquer efeito sobre aquilo que sou. Escrevo-o apenas para dizer ao mundo, aos terráqueos, que regresso de uma viagem de alta densidade arcaica, lá onde tudo se decide pela bitola do mais profundo. Uma história do vivente em pequenos capítulos. E o estranho é este tempo esquecido e recobrado, o de antes das palavras, de antes da inteligência, quando tudo não era senão fluxo e forças celestes. De modo que aqui têm, sou um pobre ser que acaba de transpor o grande fosso, e isso torna-me fraco. Fraco e nostálgico. Não de um paraíso perdido, mas de uma felicidade não encontrada.
Sabeis de onde venho? Dão-se alvíssaras.

14 comentários:

  1. da repartição das finanças. só pode...
    bem-vindo!

    ResponderEliminar
  2. As dúvidas fazem parte, sobretudo quando se procura algo que não sabemos o que é!
    Mas, mais importantes que as dúvidas, mais importante que as interrogações, mais importante do que sabermos de onde proviemos, mais importante do que saber para onde nos dirigimos é o que fazemos aqui e agora.
    De onde vimos não é assim tão importante. No fundo apenas nos dá uma perspectiva...
    Para onde vamos? Bem, é isso que decidimos em cada uma das nossas acções.

    Afinal, o passado é imutável...
    ...e provavelmente o futuro também o é!

    Sinta-se feliz pelas dúvidas e felicidade não encontradas. Tem sempre a opção de continuar a procurar. Mas não se esforce demais, senão ficará sem tempo algum para ser feliz...

    Fortíssimo Abraço :)

    ResponderEliminar
  3. Vem...de Jerusalém!

    Chegou...inteiro ou não, por dentro, não sei, mas chegou e isso é o mais importante! Aquilo que não nos mata, fortalece-nos.

    Bem-vindo.

    ResponderEliminar
  4. às vezes, há viagens introspetivas, cujos finais nos colocam assim, rente à descrição feita. procuramos, para nada acharmos. virei mais tarde quando o mistério estiver desvendado, e as alvíssaras entregues.

    ResponderEliminar
  5. Dos EUA?! Há lá lugar mais estranho...
    ~CC~

    ResponderEliminar
  6. Das férias da Páscoa!! :-))

    Beijos. Boa noite

    ResponderEliminar
  7. Respostas
    1. Alexandra, tenho para ti um chocolatinho negro 90% cacau. :)

      (estou a tratar-te por tu e não é por uma questão de métrica, note-se)

      Eliminar
  8. Dum coma profundo?

    Boa noite e bem vindo Sô Impontual.

    ResponderEliminar
  9. O que importa não é encontrar a felicidade, é procurá-la (acho que alguém já disse isto).
    :)

    ResponderEliminar
  10. Hum... Não esse retiro foi estranho. Penso que os retiros servem para encontrar algo... Não para nos perdermos.
    Espero que seja temporário.

    ResponderEliminar
  11. Se é certo que passado e futuro são indissociáveis também é que o livre arbítrio existe; costuma dizer-se que "a esperança é a última a morrer" pelo que do que tenho lido palpita-me que o Senhor Impontual vem lá do fundo dessa fusão de magma que lhe traz a lucidez de poder dizer
    "Ah, que ninguém me dê piedosas intenções,
    Ninguém me peça definições!
    Ninguém me diga: "vem por aqui"!
    A minha vida é um vendaval que se soltou,
    É uma onda que se alevantou,
    É um átomo a mais que se animou...
    Não sei por onde vou,
    Não sei para onde vou
    Sei que não vou por a"

    Um abraço

    ResponderEliminar