sábado, 25 de março de 2017

Lei de Aldrin

As horas, sôfregas, cansadas da terra, das árvores e de mim deixam-se cair no horizonte, transformando o céu numa longa faixa de nuvens vivas que sangram lentamente. Depois é a noite que resvala agarrada à transparência do ar frio. Uma brisa ainda mais forte levanta-se fazendo rumorejar as copas mais altas dos cedros e quando chega ao chão já elas partiram. As horas. Caminham ao encontro da noite, olhos abertos à escuridão povoada de insectos e bichos rastejantes. Até agora, elas estão a deixar-me não de imediato, o que seria bastante penoso, mas através de uma amarga sucessão de separações. Numa determinada altura estão presentes e depois vão novamente embora, a cada viagem afastam-se um pouco mais do meu alcance. Não posso segui-las, e interrogo-me sobre onde é que elas irão quando partem. As horas.

quinta-feira, 23 de março de 2017

Ah, então é isso.

O amor quer dizer cegueira. E cegueira, na dose certa, pode querer dizer alguma felicidade.

quarta-feira, 22 de março de 2017

Miss Smile

Começa por reanimar a voz com gradações e arpejos - mas para ela é como recitar o alfabeto, é mais como uma alegria, como correr descalça por uma extensa praia de areia. Após várias notas curtas, acentuadas, em staccato, surge um acorde e a sua voz desliza entre as notas, apodera-se de uma delas e ergue-se até ao céu: dispara. Num ritmo sacudido, desce desde as notas agudas, cantadas com uma doçura lancinante, até às águas profundas e sombrias das notas baixas, onde geme como se a vida a estivesse a deixar gota a gota. Por vezes, faz um ruído com os lábios como uma rolha que salta, outras vezes bate no peito com a palma da mão para pontuar a música que flui da sua garganta. Dir-se-ia que a sua voz conta uma história - não apenas a história da sua vida, mas a de toda a humanidade com os seus combates e provações, seus triunfos e derrotas. Ora se escoa em vagas ameaçadoras como o oceano engrossado por uma tempestade, ora como uma queda de água que desce pela falésia e faz ricochete precipitando-se no caos de espuma em direcção ao vale sombrio e luxuriante que está em baixo. Desenha círculos de ouro como anéis de Saturno, oscilando loucamente de alto a baixo, lamentando-se e vibrando, insinuando-se à volta de um grave como a hera que trepa as árvores, para depois finalmente mergulhar nas águas azuis e transparentes de um acorde de sol maior.

Escreve como se estivesse a cantar.

Ó repórteres de actualidades

Vós que sois dotados de olhos inquietos, testemunhas sem fronteiras que palpais com ousadia as entranhas do mundo, que metralhais cada uma das suas tremulações, que apreendeis tudo o que mexe, tudo o que muda, tudo que se revolve,  tudo o que se agita, tudo o que salta, tudo o que corre, tudo o que se exibe, tudo  o que se pavoneia, tudo que escorrega, tudo que cai, tudo que nasce, tudo que chora, tudo o que se entedia e morre, já não tinhas dado grande conta disto e agora deixais passar isto. Então?

terça-feira, 21 de março de 2017

Se eu fosse cego amava toda a gente


Tu, meu amor, que nome é o teu? Dize onde vives, dize onde moras, dize se vives ou se já nasceste.
Eu amo aquela mão branca dependurada da amurada da galé que partia em busca de outras galés perdidas em mares longissimos.
Eu amo um sorriso que julgo ter visto em luz do fim-do-dia por entre as gentes apressadas.
Eu amo aquelas mulheres formosas que indiferentes passaram a meu lado e nunca mais os meus olhos pararam nelas.
Eu amo os cemitérios - as lágens são espessas vidraças transparentes, e eu vejo deitadas em leitos floridos virgens nuas, mulheres belas rindo-se para mim.
Eu amo a noite, porque na luz fugida as silhuetas indecisas das mulheres são como as silhuetas indecisas das mulheres que vivem em meus sonhos. Eu amo a lua do lado que eu nunca vi.

Se eu fosse cego amava toda a gente.

__Almada Negreiros

segunda-feira, 20 de março de 2017

Caturra

Perguntou: leste "O monte dos vendavais"? Respondi: sim, li. E leste como deve ser? Reformulou. Respondi que achava que sim. Ela disse: então sabes que o ser humano não é apenas luz, é também escuridão, loucura, tristeza. 
Acreditas na felicidade? Acredito, respondi-lhe. Acredito na felicidade ilusória, ocultei-lhe.

sábado, 18 de março de 2017

Atrasados

Ao sábado de manhã gosto de ir até ao Café, sentar-me na esplanada, pedir um café e ler os atrasados. Gosto de café. Gosto de atrasados. Noutros tempos talvez me irritasse esta mania insistente das ciências da comunicação, que consiste em filtrar a insignificante espuma dos dias para dela extrair apenas a matéria empobrecida. Só que dentro de mim há já algum tempo que as marés vivas foram dando lugar a um mar de putas. E que magnifico mar de azul lavrado avisto eu hoje! Vocês, não sei. Mas, se ainda vos abespinhais, ide  "AQUI" e "AQUI"  e depois contai-me de que cor é o vosso mar, vizinhos.

quarta-feira, 15 de março de 2017

E também abomino mediadores

Nunca dizem acidente, dizem sempre colisão. Acidente significa que não há culpados. E isso não pode ser.

terça-feira, 14 de março de 2017

Cú de Judas



Esta última semana passei-a a fotografar árvores e pensava por lá ficar mais um par de dias, mas por motivos de compromisso cá da minha vida tive de voltar à grande cidade.
O choque é frontal. Onde havia ciprestes há pessoas, onde havia espaço há carros enfileirados a perder de vista, onde havia terraços voltados para o horizonte há esplanadas sombrias com mesas carregadas de gente, onde havia pássaros em chilreo há músicos de rua. Onde havia um mar levemente ondulado há gente que grita, gente ferida, gente que fere, gente que disputa lugares, gente que não sorri, gente sem rosto, gente curvada sobre si mesma, gente que ultrapassa pela direita, gente que pára sem travar, gente que muda de direcção sem dar sinal, gente que vai, gente que vem, gente que fica... gente, gente, gente.

Acreditem, eu não tenho absolutamente nada contra cada uma destas pessoas individualmente, mas quando se juntam em forma de multidão... às vezes abomino-as. Não sei se podia dizer isto? 
Mas vá lá, ganhei um bilhete para o Rodrigo Leão & Scott Matthew no Primavera Sound, vá lá.

segunda-feira, 13 de março de 2017

Constança

Violentas rajadas de vento vindo do norte abanavam as árvores do jardim assobiando entre os ramos e os troncos. De pé, em frente à janela, via a vegetação agitar-se na escuridão. Tinha uma ideia exacta daquilo que desejava naquele momento: uma parcela do tempo presente, suportar o peso desmedido do pensamento e apegar-se à trama lassa da existência, um breve instante subtraído ao formol dos hábitos, qualquer coisa de instintivo, quiçá uma lufada de sexo à toa e que depois tudo continuasse como antes. Não sendo contudo falho de interesse um regresso às origens da espécie para descobrir aquilo de que realmente é feita, reiterando o desejo de ver nascer a aurora, prometa ela o que prometer.

quinta-feira, 9 de março de 2017

Frederico.

A noite passada teve um pesadelo e acordou a gritar sobressaltado, mas agora não consegue recordar-se do pesadelo por meio de palavras, ele quebra-se em pequenos fragmentos que vão perdendo a cor rapidamente e depois evaporam-se por completo. Sente-se culpado porque não se recorda da razão de ter acordado a gritar. Tenta achar alguma coisa para justificar o incómodo, mas quanto mais procura uma história para contar, mais o seu espírito se esvazia e tudo o que consegue dizer é: "desculpa ter-te abraçado daquela maneira..."

quarta-feira, 8 de março de 2017

Cavalleria Rusticana


Se eu tivesse sido compositor, era esta música de Pietro Mascagni que eu haveria de compor. E então, dedicá-la-ia a todas as mulheres, e estas haveriam de sorrir graciosamente, todos os dias, sem o impulso de efemérides, sem nada, por tudo, só porque sim. E a elas juntar-me-ia num sorriso maior. 
Mas não fui. Tenho pena. Muita pena. Fico fora de combate.

terça-feira, 7 de março de 2017

Ia agora ali a passar e... chegou a Prima.



Fez de conta que não me viu, não me sorriu, não me falou - a sostra. Pois eu há muito que furtivamente lhe contemplava os lábios, e o resto, e estou seguro de ter fantasiado e imaginado o impensável com aqueles lábios e com o resto, antes de ter a sombra da sua realidade diante de mim. Ter imaginado aqueles lábios, e ainda o resto, noutros lábios e noutros corpos tem sido também uma penitência. Acto de contrição: um dia ainda viverei somente a sonhar com ela. Um dia.

Garfield

Eu, que não sou de intrigas, nunca imaginei dizer isto, mas é que anda aí um blog de um gajo que é gaja que me diverte à grande. E está cada vez melhor. Até a mim me deixa assovelado.

segunda-feira, 6 de março de 2017

Salvador Sobral



Nunca fui muito de festivais da canção. Confesso que não vi nada de nada. Não conheço as outras canções que lá foram a concurso. E confesso ainda que só ouvi a canção na viagem matinal que fiz pela rede. Parei, escutei e senti um leve tremor... palavras melodiosas dardejando tranquilamente sobre a superfície das águas profundas do meu oceano pacifico. Estou varado. Não me reconheço. Confesso.
Parabéns Salvador, parabéns Luísa.

sábado, 4 de março de 2017

De Torga a Calvino, num ápice

Que interessa? Se a vida é isto o que eu estou a ver: uma manhã majestosa e nua sobre este areal coberto de um sol manso e tépido, um manto ondulado de água azul resplandecente, de onde esvoaça uma gaivota solitária, e mais dois seres — eu e o cão de pêlo pardo — silenciosos, escancarados, pasmados, a olhar e a ouvir o arrulhar das ondas. A vida hoje é isto. Amanhã será outra coisa qualquer, igualmente inexaurível.

quinta-feira, 2 de março de 2017

Andorinhas de beiral


Antes de mais nada, o que há a fazer é passear em nós. É passear, olhar e cheirar. Depois, sim, discutiremos e alinharemos o resto das nossas primaveras. Depois.

Ruy de Carvalho

 

"As pessoas deviam  reivindicar mais cultura. A cultura é tão importante como a economia, ou mais. Uma pessoa culta não acarneira. Nao é acarneirado. E isso é um dos princípios da democracia: não ser carneiro. "

  • Na Grande Entrevista da RTP3

quarta-feira, 1 de março de 2017

Quarta-Feira de Cinzas

Acendeu outro cigarro do maço de tabaco americano, chupou profundamente, expeliu o fumo, olhou fixamente e disse: - quando vamos foder?
Deu outra passa no cigarro e ficou a olhar com os seus intensos olhos a brilhar, um levíssimo sorriso eufórico nos lábios carnudos, o mesmo sorriso da jogadora que aposta tudo e mostra três ases quando apenas se esperava um par de cincos, um ligeiro tremor instala-se-lhe no queixo como se estivesse a degustar um naco de carne suculento e delicioso. Estava feliz por falar e ter quem a ouvisse em silêncio.

segunda-feira, 27 de fevereiro de 2017

Vórtice


Cá dentro, amparo e calor. Uma luz suave. Silêncio. Sob a chaminé, uma pequena lareira. Esperança. Ponto zero. A imensidão do tempo. O dia que se prolonga como se não fosse ter fim.
Lá fora, um frio imaculado. Cortante. Uma brancura azul, um sol forte e uma paisagem de montanha. Picos perigosos e selvagens a recordar uma terra sem homem. Uma imagem turva, uma respiração, um batimento cardíaco, um grito. E depois, repentinamente, a partida. Aceleração vertiginosa, dias, semanas, meses, confusão, imprecisões, impontualidades, vivências, pensamentos, experiências, mais e mais depressa, corrida, redemoinho.