quarta-feira, 23 de agosto de 2017

Bóreas

Encontrávamo-nos no paredão junto à praia e não seguíamos para o areal, seguíamos para o prado para uma festa muito nossa. O vento de Agosto já baloiçava Setembro. Instalávamo-nos sob a mesma carvalheira, desembrulhávamos os nossos lanches enquanto o vento e a sua cauda de espaços entrava nas nossas bocas e assobiava nos nossos cabelos. Espalhávamos pasta de fígado em grandes pães e bebíamos pelo mesmo copo uma laranjada que, de tão fria, gelava os dentes. Fumávamos um Ritz subtraído ao avô, olhávamos os frémitos juvenis da erva verdejante, os frémitos de velhice do colmo amontoado. O vento, carrossel de gaivotas, volteava por cima do nosso fascínio e do nosso lanche. 
Parece que foi ontem!

12 comentários:

  1. e se o tempo se medisse pela intensidade dos momentos?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Petrificava-se.
      Que a intensidade não nos impeça de respirar de vez em quando...

      Como vai, ana de Bóreas?

      Eliminar
  2. quando há nevoeiro, como agora, o norte não sopra forte

    ResponderEliminar
  3. O que seríamos nós sem a memória, completada pela escrita? Começa a fazer sentido o chavão "e recordar é viver".
    Agora temos memórias, e a possibilidade de fazer algo novo. Começo a gostar da meia-idade.
    Abraço meu caro

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O que é a meia-idade, meu caro?

      Eliminar
    2. Altura da vida em que tudo está por fazer e já há memórias boas do que se fez.

      Ou isso ou algo saído do Tolkien

      Eliminar
  4. "Bóreas", Impontual...esta sua maneira tão bela de escrever, deixa-me com o vento norte a desnortear-me. Ensina-me como se faz 'isso'?...

    ResponderEliminar
  5. Este agosto, por aqui, vento norte é o que não falta Impontual, apareça :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigado pelo convite, GM. O vento norte não é igual em todos os lados. :)

      Eliminar